Guaratuba tem um dos maiores remanescentes de áreas úmidas do mundo

Foto: Ricardo Lopes
 

O Brasil adota como diretriz para a indicação de áreas úmidas a serem incluídas na Lista de Ramsar, que tais áreas correspondam a unidades de conservação, o que favorece a adoção das medidas necessárias à implementação dos compromissos assumidos pelo país perante a Convenção. Desde sua adesão à Convenção, o Brasil promoveu a inclusão de treze unidades de conservação à Lista de Ramsar. A introdução dessas áreas na Lista de Ramsar faculta ao Brasil a obtenção de apoio para o desenvolvimento de pesquisas, o acesso a fundos internacionais para o financiamento de projetos e a criação de um cenário favorável à cooperação internacional. Em contrapartida, o Brasil assumiu o compromisso de manter suas características ecológicas - os elementos da biodiversidade, bem como os processos que os mantêm - e deve atribuir prioridade para sua consolidação diante de outras áreas protegidas, conforme, inclusive, previsto no Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas (PNAP), aprovado pelo Decreto no 5.758/06.

Guaratuba

A APA – Área de Proteção Ambiental de Guaratuba foi selecionada e agora faz parte da Lista de Zonas Úmidas de Importância Internacional, o MMA notícia foi confirmada nesta segunda-feira (2) pelo ICMBio -  Instituto Chico Mendes de Biodiversidade. A baía de Guaratuba no litoral do Paraná abriga um dos maiores remanescentes de áreas úmidas preservadas do país. São 40 mil hectares em bom estado de conservação. Os dados são da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sema) e Instituto Ambiental do Paraná (IAP) que em comemoração ao Dia Mundial das Áreas Úmidas, destacam a importância deste complexo ecossistema para o combate dos efeitos das mudanças climáticas e para o equilíbrio ecológico. Entre as maiores variedades de áreas úmidas do Paraná estão os manguezais, áreas estuarinas, brejos, várzeas e banhados. Apenas de manguezais, de acordo com levantamento feito pelo Programa Pró-Atlântica a APA de Guaratuba possui 199.586 mil hectares e abrange os municípios de Guaratuba, São José dos Pinhais, Tijucas do Sul, Morretes, Paranaguá e Matinhos. A área foi criada para compatibilizar seu uso e ocupação, protegendo a fauna e a flora, sítios arqueológicos e, para disciplinar o uso turístico e garantir a qualidade de vida das comunidades caiçaras e da população local que é o mais importante, caso contrário o mato e os bicudinhos-do-brejo se tornam mais importantes que as vidas humanas que por ali habitam.